Meus blogs internacionais

Tecnologia do Blogger.

Visite Blog RotaCinema

  • Tom na Fazenda (Tom à la Ferme) - *País*: Canadá/França *Ano*: 2012 *Gênero*: Suspense *Duração*: 102 min *Direção*: Xavier Dolan *Elenco*: Xavier Dolan, Pierre-Yves Cardinal, Lise Roy e Eve...
    Há 7 horas

Postagens populares

Milão

Chegamos a Milão no dia 15 de setembro, às 9h30, vindo de trem de Liubliana (Eslovênia). São 12 horas de viagem, com uma ou duas conexões.

A estação central de trem (Milano Centrale Railway Station) é belíssima. Inaugurada em 1931, é a segunda estação da Itália com maior fluxo de passageiros. Partindo de diversas cidades europeias é possível se chegar a Milão de trem.  

A estação tem ligação com os principais meios de transporte público. O metrô de Milão funciona diariamente das 6h até às 0h30 e conta com quatro linhas: M1 (vermelha), M2 (verde), M3 (amarela), M4 (azul) e M5 (lilás). Há, ainda, diversas opções de ônibus, tram e trolleybus (amarelinhos), que juntos cobrem toda a cidade, operando diariamente a partir das 4h30. Com certeza, a Zona 1 (Centro Storico), acessível pelas linhas M1 e M3, é a área mais visitadas pelos turistas.  

Na saída lateral da estação, partem ônibus executivos (passagem a € 10) para o aeroporto Milano-Malpensa, a 48 km. O trajeto também pode ser feito por trem (Trenord/ Malpensa Express), que parte do terminal 1. Existem ainda duas empresas (STIE Autostradale e Air Pullman) que fazem o transporte via ônibus executivo, ligando o aeroporto à estação Milano Centrale.

O outro aeroporto é o Milano Linate, que recebe principalmente os voos domésticos e os do próprio continente europeu. Está localizado a apenas 7 km (ou 25 minutos de transporte público). O trajeto pode ser feito por ônibus urbano (ATM Bus - linhas 75 e X73).

A segunda maior estação de trens de Milão é a Garibaldi: uma homenagem a Giuseppe Garibaldi, o revolucionário italiano. Fica a apenas duas estações da Centrale (estação central).

Capital da região da Lombardia, com cerca de 1, 4 milhões habitantes, a região metropolitana de Milão é a maior e mais populosa da Itália, com uma população estimada em 7, 4 milhões habitantes (sendo 13,9% da população de origem estrangeira).

A Lombardia, cujo nome deriva do termo medieval Longobardia, que indicava a parte da península sob domínio dos Longobardos, é a região mais populosa, e a mais industrializada, da Itália e, portanto, a que passou pelas mais amplas e visíveis transformações.

É um dos mais importantes centros da União Europeia para negócios e finanças e conhecida mundialmente como a capital do design, com maior influência global no comércio, na indústria, música, desporto, literatura, arte e mídia.

Seus habitantes são referidos como "milanesi" ("milaneses" em italiano) ou, informalmente, como meneghini ou ambrosiani.

Uma palavra bastante comum nas placas e próximos aos principais pontos turísticos é “corso”, que significa curso – é o equivalente à via.

Importante saber: a cidade divide-se em 9 zonas. A Zona 1 é o Centro Histórico, onde ficam as atrações mais importantes.

Duomo

Depois de deixarmos as malas no hotel Virgílio (rua Giovanni Pierluigi da Palestrina, a poucos metros da estação central) e almoçarmos ao lado no Bistrot Ratatouille (€ 4,50 o prato para cada um), pegamos o metrô para visitar o Duomo, o cartão-postal da cidade.  E, à noite, se puder ir novamente, vale a pena. Ela fica ainda mais linda.

Os bilhetes de metrô têm tarifas diferentes, já que se paga pelo percurso percorrido, e assim os bilhetes dos percursos que saem da área urbana são mais caros. Na estação, há máquinas (aceitam dinheiro em notas ou moedas) e guichês (caso prefira) para comprar os bilhetes.

Urbano (1,50 euros): dá direito a uma viagem de metrô ou ônibus ou bondinho, mais uma integração (dentro de 90 min) com um meio de transporte diferente. Exemplo: depois de sair do metrô, pegar um ônibus ou pegar um bondinho, e, depois, o metrô.

Giornaliero (4,50 euros): é o bilhete que vale 24 horas a partir do momento da primeira validação e serve para todos os meios de transporte urbanos da ATM como metrô, ônibus e bondinhos. Faça as suas contas: se você acha que vai fazer mais de 3 viagens em um dia, já vale a pena comprar o giornaliero.

Bigiornaliero (8,25 euros): dá os mesmos direitos do giornaliero, mas tem a validade de 48 horas a partir do momento da primeira validação.

Bilhetes extraurbanos: têm tarifas diferentes segundo o percurso percorrido. Para quem vai à estação de Rho-Fiera para participar das feiras de Milão, como o salão do Móvel, por exemplo, paga 2,55 euros, já que Rho é outro município.

O Duomo situa-se na Piazza del Duomo (que é a praça central). É a sede da Arquidiocese de Milão e uma das mais célebres e complexas edificações em estilo gótico da Europa. Ela é imensa e sua construção teve início em 1386. Depois de muitos atrasos e interrupções, foi finalizada somente em 1813. A fachada externa, repleta de blocos de mármores, estátuas e torres pontiagudas, impressiona. O interior tem cinco naves (1 central e 2 em cada lateral) divididas por 52 colunas de 24 metros de altura cada.

Para entrar, os valores são: € 12 (interior e terraço de elevador); € 7 (interior e terraço subindo as escadas) e € 6 (museu – área arqueológica). Se quiser áudio-guia, paga-se mais uma taxa. Nós optamos pelo terraço. Vale a pena subir. OBS: o museu revela todas as fases de construção da catedral, desde a sua fundação em 1386 até o século XX, além de apresentar uma ampla exposição de esculturas, vitrais, peças de tapeçaria, pinturas e grandes obras arquitetônicas do século XV ao século XX.

Para chegar o Duomo, o acesso pode ser feito por duas linhas de metrô: M1 e M3. E cada uma delas tem duas saídas na praça.

A grande aventura

Siga-me no Google+

Visitas (últimos 7 dias)